Nova pagina 1
Nova pagina 1

Outros destaques

Nova pagina 1

Região

Brasil

Mundo

Dinheiro / Economia

Variedades

Polícia

Tecnologia

Notícias Bizarras

Celebridades

A+ R A-

Paulínia News - O seu jornal na internet

Engenheiro cria máquina de fazer água

E-mail Imprimir PDF

O engenheiro Pedro Ricardo Paulino desenvolveu uma máquina capaz de gerar 5 mil litros de água potável por dia através de um processo de condensação de alta eficiência que consegue captar a umidade presente no ar e a submeter a um processo de potabilização para o consumo humano.

Especializado em mecatrônica, Paulino é o criador da máquina "Wateair", a junção das palavras em inglês "water" (água) e "air" (ar), e desde 2010 vendeu 200 unidades do equipamento, que ganhou protagonismo nas últimas semanas devido à crise da falta d'água em São Paulo.

"Tudo o que a máquina precisa para funcionar é uma fonte de energia elétrica e a umidade do ar superior a 10% (recomendação mínima da Organização Mundial da Saúde, OMS)", explicou Paulino em entrevista à Agência Efe.

De acordo com o engenheiro, esta tecnologia absorve a umidade presente no ar graças a um "equipamento de alta eficiência"; condensa e filtra a água e, no último passo, o líquido passa por um processo para se tornar potável no qual recebe cálcio, magnésio, potássio e silício.

"Não faz diferença se o ambiente está poluído ou não já que no vapor de água não ficam partículas sólidas", acrescentou o engenheiro, que garantiu ter investido cerca de US$ 1 milhão do seu próprio bolso nos últimos quatro anos para desenvolver o aparelho.

A invenção é oferecida em duas versões: uma capaz de gerar 15 litros por dia, do tamanho dos típicos filtros de água para escritórios, e outra capaz de gerar cinco mil litros por dia.

"Antes, os clientes eram escolas ou pessoas que precisavam de água potável em menor quantidade. Agora, vendemos nossas máquinas a restaurantes e farmácias, por exemplo. Há uma grande variedade de clientes", destacou.

Segundo o seu inventor, a versão mais básica custa R$ 7 mil e a mais cara R$ 350 mil.

"Um dos nossos desafios é conseguir reduzir os custos. Estamos trabalhando para melhorar a eficiência dos nossos equipamentos e a eficiência energética. Outro problema que temos é a importação das peças. Temos que trazê-las de oito países diferentes e isso também influencia no preço", ressaltou.

Segundo Paulino, o preço de um litro de água produzida com sua máquina é de R$ 0,17. Este valor implica em que produzir um metro cúbico de água com a máquina custa R$ 170, enquanto a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) oferece esse mesmo volume por R$ 7,25.

De acordo com a edição 2014 do Relatório de Riscos do Fórum Econômico Mundial, a água representa o terceiro maior problema do planeta depois da crise fiscal nas principais economias mundiais e dos altos níveis de desemprego e subemprego.

Segundo um estudo apresentado este ano pela ONU sobre os recursos hídricos no mundo, cerca de 768 milhões de pessoas não têm acesso a uma boa fonte de provisão de água - aquela que protege apropriadamente a água da contaminação exterior. O mesmo relatório também prevê que a necessidade mundial de água (em termos de extração) crescerá 55% até 2050, devido ao aumento da demanda da produção (400%), geração de energia térmica (140%) e consumo doméstico (130%).

Ainda segundo essas previsões, mais de 40% da população global viverá em regiões com severos problemas hídricos.

Paulino garante que sua invenção pode resolver estes problemas se combinada a métodos usados na atualidade.

O engenheiro já recebeu, inclusive, uma encomenda de um país do Oriente Médio para implantar este sistema como substituto de uma turbina de dessalinização de água. A ideia é usá-lo como experiência para testar uma versão maior de sua invenção, capaz de gerar "milhões" de litros de água

Australiano é primeiro condenado por pedofilia com ajuda de menina virtual

E-mail Imprimir PDF

Um pedófilo australiano preso graças a uma menina virtual criada por uma ONG para localizar criminosos sexuais que atuam na internet se tornou o primeiro condenado graças a esta iniciativa, informou a organização nesta quarta-feira.

O grupo holandês de defesa dos direitos humanos "Terre des Hommes" revelou em novembro passado o uso desta menor de idade criada por computador, de origem filipina e chamada "Sweetie", para pegar pedófilos em chats.

O primeiro sentenciado graças a esta iniciativa, Scott Robert Hansen, de 38 anos, foi condenado a dois anos de prisão, informou à AFP um porta-voz do tribunal, apesar de o tempo de prisão ter sido anulado em função dos 260 dias que o detido ficou sob custódia policial.

Além disso, foi condenado por violar as condições de sua liberdade provisória e por possuir material pedófilo.

Em um período de dez semanas, mais de 20.000 pessoas de 71 países entraram em contato com a menina virtual de 10 anos pedindo sexo através de uma câmera web, e mais de mil foram identificados em países como Austrália, Polônia e Estados Unidos.

A polícia federal australiana revistou o apartamento do suspeito depois de um encontro por webcam com "Sweetie", no qual se despediu e se masturbou, segundo o site News.com.au

O condenado se encontra entre os 46 australianos descobertos graças a esta operação, explicou à AFP um porta-voz da ONG com sede em Jacarta, Leny Kling, que anunciou mais condenações em breve.

Ponta do iceberg

A Terre des Hommes explicou que sua equipe se limitou a esperar que os pedófilos entrassem em contato com a suposta menor, sem tomar a iniciativa.

"Colocar-se na pele de uma menina filipina de dez anos e ver o que certos homens querem de você, os pedidos e os gestos realmente obscenos que fazem foi uma experiência chocante para os investigadores", explicou a ONG.

Com esta iniciativa, a ONG pretende expor o turismo sexual virtual, uma forma de exploração infantil que afeta milhares de crianças nas Filipinas, Camboja e Tailândia.

A porta-voz da organização mostrou-se revoltada com o número reduzido de prisões nos últimos anos por causa desse tipo de delito sexual, pouco mais que meia dúzia, segundo a ONG.

A Terre des Hommes diz que, se, sozinha, conseguiu identificar mais de mil suspeitos de pedofilia em tão pouco tempo, as autoridades deveriam ter a disposição de identificar muitos mais.

"O que queremos é provar que isso é apenas a ponta do iceberg", observou Kling.

Durante a apresentação do projeto no ano passado, a ONG estima, citando cifras das Nações Unidas, que apenas em um mês cerca de 750.000 pedófilos poderiam estar simultaneamente conectados em busca de presas infantis na internet.

Página 1 de 1346

Publicidade - Clique no banner

On line

Nós temos 1008 visitantes online

Paulínia.. Paulínia.. Todas Todas